vitamina K
Prescrita para todos os sexos e idades, pode tomar-se a qualquer hora do dia.
Não lhe são conhecidos efeitos secundários.

.live at 3.

22.12.08
|#| Hoje, às 22h00, sintoniza a Antena 3 e deixa-te levar…
Read On 0 (im)Pacientes

.mériKristas.

18.12.08
Read On 2 (im)Pacientes

.fotojornalismo(s).

16.12.08
|!| “Os clics da mudança” é o título de um trabalho realizado para a unidade curricular de Teorias da Notícia, que serviu para reflectir sobre alguma da cobertura fotojornalística efectuada às últimas eleições nos EUA.

Gonçalo Lobo Pinheiro (caricaturado na imagem) foi um dos profissionais que acedeu falar sobre a (também sua) paixão, a mesma que o levou a criar o primeiro espaço, "made in Portugal", na internet.


Já não foi a tempo de ser citado no referido trabalho, contudo, aqui ficam os agradecimentos.


Existem algumas "teorias" que distinguem fotógrafo de fotojornalista. Para ti, o que é ser jornalista, utilizando como ferramenta a imagem?
Eu sou contra "teorias". O fotojornalista no sentido mais lato da palavra será sempre um fotógrafo. Não entro por "guerras" que alimentem o contrário, sabendo que muitos profissionais do fotojornalismo vêem as coisas por outro prisma.


Para mim, ser fotojornalista, é poder ter o privilégio de mostrar ao Mundo a minha visão de um dado acontecimento. É estar no sítio certo e à hora certa para captar a imagem que quero que os outros vejam.


Uma boa imagem tem sempre a força suficiente para agarrar o público e é por aí que trilho o meu caminho.


Que análise e perspectivas para o fotojornalismo em Portugal?
O problema do fotojornalismo em Portugal, contrariamente ao que se passa um pouco pelo Mundo fora, é o facto de em Portugal não se dar o verdadeiro valor ao "ser" fotojornalista.


Um fotojornalista em Portugal não consegue mostrar ou provar o seu valor. Os empregos são precários, não há oportunidades. Os grandes grupos económicos que gerem a imprensa escrita escolhem muitas vezes os fotojornalistas como o elo mais fraco da redacção. E, mais tarde ou mais cedo, vão com certeza arrepender-se disso.


Dá-se sempre mais valor ao jornalista redactor do que ao jornalista fotógrafo. Tudo em nome da contenção de despesas. No meu entender, uma opção errada.


Hoje em dia, os redactores, mesmo que com dificuldades, conseguem entrar nos quadros de um jornal ou revista. Os fotojornalistas vão em sentido oposto. Cada vez mais são colaboradores ou conseguem um vínculo precário.


Porquê um espaço na World Wide Web?
O blog Fotojornalismos foi criado em 2004 com o intuito de ocupar um espaço vazio na internet. Escolhi a blogosfera para falar de fotojornalismo. Mostrar o meu e o fotojornalismo dos outros, daí a escolha pelo nome no plural.
É um projecto que quero continue a crescer e se torne cada vez mais num espaço de discussão pelos intervenientes da classe.


Do teu percurso profissional, qual o registo que congrega tudo aquilo que deve ser uma fotografia para publicação num órgão de comunicação social (no fundo, do teu portefólio, qual é "a foto")?
Bem, não gosto muito de falar acerca do meu trabalho dessa forma como me perguntas. Eu não tenho a "foto". Isso é algo que, em mim, está sempre em constante mutação. Procuro a "foto" em todos os trabalhos que faço de modo a conseguir concentrar-me e ser sempre profissional. Amo o que faço e como tal tenho de estar sempre alerta.


Agora posso adiantar-te que tenho um carinho especial por alguns dos meus trabalhos, como a reportagem fotográfica que fiz no Incêndio na Serra de Sintra em 2007 e com a qual fui agraciado com uma Menção Honrosa na Categoria de Reportagem Noticiosa no 8º Prémio Fotojornalismo Visão/BES.


Gostei também de fotografar a 69ª Volta a Portugal em Bicicleta, a Taça da Europa em Atletismo 2007 em Milão e uma entrevista a Simone de Oliveira este ano. Podia estar a falar de mais um ou dois trabalhos mas destaco estes.
Read On 1 (im)Pacientes

.five-year-journalism.

9.12.08
|§| Precisamente há cinco anos, entrava por aquela porta... Era dia de fecho. Sentei-me junto ao editor e ali passei o dia, a vê-lo fazer. Hoje, a cena repetiu-se, excepção feita à postura mais acomodada. Agora, também faço.


Duzentas e cinquenta e cinco edições depois, tantas histórias (ou estórias? – questionava-se ainda hoje) para contar… Parece que a aprendizagem é alargada, mas a sensação que tenho é que esse muito… é muito pouco. Aprender, comunicar, aprender.


(Curiosamente, neste dia dei com estes cinquenta e cinco minutos de entrevista, que vale a pena ouvir).
Read On 0 (im)Pacientes

.bloggling.

5.12.08
|§| Três anos, 438 posts, 27.264 visitas...
Read On 1 (im)Pacientes

.one man band on tv.

23.11.08
|#| Já o tinha dito. Seguiu-se a imprensa, a rádio e a televisão. Depois da tour por todas (ou quase) Fnac’s que existem em território nacional, ele continua aí para dar música. Ah, se tiverem um rádio à mão, sintonizem a Antena 3.

Read On 1 (im)Pacientes

.projects mode.

13.11.08
|?| Os clics da mudança, Akadémico(s) e iRead. Reflexões suficientes para tirarem algumas horas de sono e para ajudarem a queimar pestanas. Trabalhosas, mas interessantes.


Falamos depois…
Read On 1 (im)Pacientes
Read On 1 (im)Pacientes

.our-their-our money.

23.10.08
|| “A troco de apenas algum dinheiro, os bancos emprestam-nos o nosso próprio dinheiro para que possamos fazer com ele o que quisermos. A nobreza desta atitude dos bancos deve ser sublinhada.


Quando, no passado domingo, o Ministério das Finanças anunciou que o Governo vai prestar uma garantia de 20 mil milhões de euros aos bancos até ao fim do ano, respirei de alívio. Em tempos de gravíssima crise mundial, devemos ajudar quem mais precisa. E se há alguém que precisa de ajuda são os banqueiros. De acordo com notícias de Agosto deste ano, Portugal foi o país da Zona Euro em que as margens de lucro dos bancos mais aumentaram desde o início da crise. Segundo notícias de Agosto de 2007, os lucros dos quatro maiores bancos privados atingiram 1,137 mil milhões de euros, só no primeiro semestre desse ano, o que representava um aumento de 23% relativamente aos lucros dos mesmos bancos em igual período do ano anterior. Como é que esta gente estava a conseguir fazer face à crise sem a ajuda do Estado é, para mim, um mistério.


A partir de agora, porém, o Governo disponibiliza aos bancos dinheiro dos nossos impostos. Significa isto que eu, como contribuinte, sou fiador do banco que é meu credor. Financio o banco que me financia a mim. Não sei se o leitor está a conseguir captar toda a profundidade deste raciocínio. Eu consegui, mas tive de pensar muito e fiquei com dor de cabeça. Ou muito me engano ou o que se passa é o seguinte: os contribuintes emprestam o seu dinheiro aos bancos sem cobrar nada, e depois os bancos emprestam o mesmo dinheiro aos contribuintes, mas cobrando simpáticas taxas de juro. A troco de apenas algum dinheiro, os bancos emprestam-nos o nosso próprio dinheiro para que possamos fazer com ele o que quisermos. A nobreza desta atitude dos bancos deve ser sublinhada.


Tendo em conta que, depois de anos de lucros colossais, a banca precisa de ajuda, há quem receie que os bancos voltem a não saber gerir este dinheiro garantido pelo Estado. Mas eu sei que as instituições bancárias aprenderam a sua lição e vão aplicar ajuizadamente a ajuda do Governo. Tenho a certeza de que os bancos vão usar pelo menos parte desse dinheiro para devolver aos clientes aqueles arredondamentos que foram fazendo indevidamente no crédito à habitação, por exemplo, e que ascendem a vários milhares de euros no final de cada empréstimo. Essa será, sem dúvida nenhuma, uma prioridade. Vivemos tempos difíceis, e julgo que todos, sem excepção, temos de dar as mãos. Por mim, dou as mãos aos bancos. Assim que eles tirarem as mãos do meu bolso, dou mesmo.”

Araújo Pereira, Ricardo; A banca nacionalizou o Governo
Read On 1 (im)Pacientes

.barac vs john.

22.10.08

|!| A decisão de quem será o próximo presidente dos EUA, poderá passar por Warren Buffet, o homem mais rico do mundo – segundo a revista Forbes – ou Meg Whitman, ex-presidente da eBay. Em plena crise económica, as escolhas de Barac Obama e Jonh McCain, para o Departamento do Tesouro, respectivamente, poderão ser decisivas, quando, a cerca de três semanas das eleições – 4 de Novembro –, ainda há muitos indecisos.


A economia, principal preocupação dos norte-americanos, esteve no centro das atenções no início do segundo debate televisivo entre os candidatos à Casa Branca, que decorreu em Nashville, Tennessee, no passado dia 7, e no qual abordaram alguns nomes que têm em mente para o Tesouro. Com uma fortuna estimada em 62 mil milhões de dólares, Warren Buffet é o mais desejado por ambos os candidatos. Porém, o dono da companhia Berkshire Hathaway – os principais negócios são os seguros, incluindo a análise de concessão de crédito à habitação – é assumidamente apoiante de Obama. “Será uma escolha muito boa. Estou satisfeito por contar com o seu apoio”, afirmou o candidato democrata, no decorrer do debate. Já McCain, “respondeu” com outra hipótese, Meg Whitman, uma das mulheres mais poderosas do sector tecnológico mundial, face ao notável trabalho desenvolvido nos últimos dez anos, em que esteve à frente do site de leilões eBay. “Aprecio Meg Whitman. Ela sabe como criar empregos”, afirmou o candidato republicano.


Warren Buffet, 78 anos, é natural do Omaha, Nebraska, e formou-se em economia, na Escola de Negócios de Colúmbia, onde teve como professor de mestrado o influente economista Benjamin Graham.


Meg Whitman, 52 anos, é natural de Long Island, Nova Iorque, formou-se em Princeton, em economia, e tem um MBA em Harvard. A confirmar-se a escolha, será a segunda mulher na lista de McCain, depois da candidata a vice-presidente Sarah Palin.


Soluções dos candidatos
No sector da economia e dos impostos, Barac Obama quer ajudar as famílias da classe média, que lutam contra o aumento dos preços e os ordenados estagnados; reformar o sistema de saúde e a educação, e investir na investigação científica para aumentar a produtividade e o crescimento. Opõe-se a cortes nos impostos para lá de 2010; quer tornar as pensões de alimentos em caso de divórcio mais razoáveis e reavaliar os benefícios fiscais atribuídos à franja da população que mais dinheiro recebe.


Por seu lado, John McCain, aponta para a redução dos impostos à classe média, mantendo a redução nos impostos proposta por Bush, mas reduzindo a despesa do Estado. Pretende reformar a segurança social.


Obama (sempre) na frente
De acordo com uma pesquisa da rede ABC News e do jornal Washington Post, Obama tem 53% da preferência do eleitorado, enquanto McCain tem 43%.


Entre os eleitores que consideram a economia o assunto mais importante das eleições, 62% dizem que votarão em Obama, enquanto apenas 33% preferem McCain.


Jerónimo, Pedro; Quem será o “dono” do dinheiro?
Read On 0 (im)Pacientes

.reckoner: the videoclip.

2.10.08
|#| Os Radiohead pediram, os fãs responderam e Clement Picon foi o escolhido. “Reckoner” é o mote para um videoclip brilhante.

Read On 0 (im)Pacientes

.job: football player.

25.9.08
|º| Numa rápida leitura pela imprensa diária, no caso, desportiva, dei com uma notícia referente ao longo calvário do internacional português Jorge Andrade. Já é a segunda mazela que tem no joelho e que o obriga a uma paragem de meses (a actual, cerca de 12).


Segundo a notícia, o seu patrão, a Juventus, pretende despedi-lo, alegando uma lei existente em Itália, que permite a rescisão do contrato no caso de seis meses de inactividade. Ao que parece, até 2010 (término do vinculo contratual), o clube pouparia uns milhares de euros em ordenados.


Colocou-se-me de imediato a questão: um empregador despede assim um funcionário, porque considera longa a recuperação do mesmo, após um acidente de trabalho?


Não é caso novo. Conheço um, próximo e por cá, em que sucedeu tal e qual. A profissão não era a de futebolista, portanto, com uma diferença remuneratória abismal (do género, ordenado mínimo). É apenas uma gota num oceano que parece estar a encher-se de falta de protecção laboral. O(A) funcionário(a) é, cada vez mais, visto como uma máquina. Tem que produzir, caso contrário, “lixo”.
Read On 5 (im)Pacientes

.queen’sport.

18.9.08
Read On 0 (im)Pacientes
Read On 0 (im)Pacientes

.what i’ve learned.

11.9.08

|!| A caminho dos cinco anos de jornalismo e próximo de concluir formação superior na área. São alguns anos de aprendizagem, que nunca têm fim. Exemplo disso, é a reflexão que faço, no seguimento do conteúdo deste post e a opinião que o precede.


Por vezes, há a tendência de se confundir o cidadão do profissional. No caso, a pessoa é sempre vista como jornalista: 24 horas por dia, 365 dias por ano. Este(a), está sujeito a um código deontológico, é regulado(a) e, na sua essência, o que deve reportar são factos (ponto). Contudo, enquanto cidadã(o), vive numa sociedade onde impera a liberdade de expressão. Obviamente que, cada um com a sua, está sujeito às consequências, quando esta passa do foro privado ao público.


O cidadão “A”, que por acaso até é agente da autoridade, pode não concordar com determinada regra, de trânsito, por exemplo, mas, enquanto profissional é obrigado a regular que a mesma seja aplicada. No entanto, enquanto civil, pode quebra-la… com as devidas consequências que a sociedade lhe imporá. O mesmo sucede neste caso: o cidadão expressou a sua opinião e alguns membros da sociedade censuram-no (outros não).


Concluindo, confundir a pessoa com a sua actividade profissional, é estar a pedir-lhe que seja escravo(a) da mesma. Penso eu de que.

Read On 1 (im)Pacientes

.where are you, robin wood.

4.9.08
|| Carlos Santos Ferreira, presidente do BCP: 48.000 euros; Manuel Luís Goucha, apresentador de televisão: 40.000 euros; João Lobo Antunes, neurologista, 35 a 40.000 euros; Ana Maria Fernandes, da EDP renováveis: 27.500 euros; Alexandra Lencastre, actriz: 10.000 euros; Cavaco Silva, Presidente da República: 7.416 euros e José Sócrates, Primeiro-ministro: 7.260 euros.


Estas são, segundo a revista Sábado, as remunerações mensais de algumas das figuras públicas do nosso querido Portugal (não falo nos reformados famosos, porque não me apetece digitar mais zeros). E quem paga o ordenado deste senhores? O contribuinte, está claro, seja ele rico ou pobre.


Como ouvia há dias alguém dizer: “por este andar, Portugal começa a assemelhar-se ao Brasil, onde não existe classe média!” Sinceramente, envergonho-me, enquanto português, ao ver figuras, com todo o respeito, como um apresentador de televisão, que ganha quase seis vezes mais que o Presidente da República e uma, entre muitas, actriz que leva para casa, ao fim do mês, bem mais que o Primeiro-ministro!


Caro Sócrates, da próxima vez que pensar em pedir aos portugueses que apertem o cinto, faça o seguinte: chame à Assembleia da República alguns cidadãos portugueses, cuja actividade profissional seja apresentador(a) de televisão ou actor/actriz, por exemplo. Acho que assim resolve, rapidamente, parte substancial dos desníveis de Portugal. Obrigado.
Read On 3 (im)Pacientes

.the front man.

2.9.08


|#| Fez-se à estrada, em 2002, numa Weelchair. Eram os primeiros metros. A rebeldia dos Nirvana, a melodia dos Pearl Jam e a melancolia de Jeff Buckley, foram o mote para dois anos de viagem. Em 2004, foi a vez de trocar de veículo, este, mais amigo de ambiente. Os covers foram a chave na ignição de um motor que, a cada metro de estrada, se foi tornando mais exigente. Rapidamente passaram aos originais e, em 2007, o lançamento do EP “Question Mark” marca o desvio dos Kyoto para a auto-estrada, na qual permanecem. Ao volante, as mesmas mãos, cada vez mais seguras. Já em 2008, e em simultâneo, os Ti Maria são o pretexto para juntar família e amigo(s) de longa data, num veiculo movido a um combustível mais eléctrico.


Nuno, Jerónimo ou até ambos, poderá soar a oco. Já “Rancho” é mais melodioso. Uma viagem tranquila, por sonoridades que passam ainda por Andrew Bird, Radiohead, Rufus Wainwright ou Damien Rice. Independentemente dos estilos, a mesma consistência, de uma voz harmoniosa e melódica. “Unready Demo”, para tirar as teimas.
Read On 2 (im)Pacientes

.?!?.

28.8.08
|!| “O Comando Metropolitano da PSP de Leiria deteve hoje dois homens, de 25 e 26 anos quando tentavam assaltar uma ourivesaria na zona do Rossio, em Lisboa.”



Terei lido bem? Em que é que ficamos: a cidade do Lis virou a mais importante metrópole do país ou ganhou um largo novo?
Read On 1 (im)Pacientes

.rise up.

22.8.08
Read On 0 (im)Pacientes

.new hope(?).

19.8.08

|!| A propósito de uma das novidades, que tem estado na agenda pública, o MEP – Movimento Esperança Portugal, recordei há dias, através do JN, “Os Nove da Aldeia das Dez”, uma reportagem que vira há uns tempos na SIC.


Não é por nada, mas vale a pena parar cerca de oito minutos. Quando andam cerca de 10 milhões de pessoas a falar em crise, fica o exemplo desta família, que tem aquilo que tudo o ser humano busca incessantemente: ser feliz. Ou como diria a Floribella: “não tenho nada, mas tenho, tenho tudo!” Não é sonho, é realidade.

Read On 0 (im)Pacientes

.telegram.

18.8.08

|º| Parabéns Vanessa. O teu país (ou parte dele) está orgulhoso. Coube-te a “prata”, mas o desempenho antes, durante e após a prova foi de ouro. Obrigado pela humildade e simplicidade… própria dos campeões.

Foto: Associated Press
Read On 0 (im)Pacientes

.amén.

7.8.08
|º| Haverá quem lhe chame oportunista ou exibicionista. Mais: que esta seria uma missão para outro(s). Não terá um padre coisas mais importantes para fazer, do que meter-se (novamente) no mundo do futebol?

“O pastor e o rebanho”, in O Mensageiro e Finta & Remata
Read On 0 (im)Pacientes

.iDo.

5.8.08

|©| Há coisas fantásticas! O fotojornalismo é uma delas. Os traços, os padrões, as cores, os ângulos do acontecimento… Talvez pela dificuldade que os profissionais do sector atravessam, já há algum tempo que se vêem (ex-)fotojornalistas que canalizam a experiência e o gosto pela fotografia, para áreas inesperadas. Os resultados são como os do iDo.

Read On 2 (im)Pacientes

.nice club.

31.7.08
|º| Sport Clube Leiria e Marrazes, 71 anos, todos os escalões no futebol, ao qual se juntam ainda modalidades como o hóquei em patins, patinagem e BTT, mais de 600 atletas e cerca de 2000 sócios. É um dos clubes históricos da Associação de Futebol de Leiria e um exemplo de humanismo.
Read On 0 (im)Pacientes

.chato.

15.7.08
Read On 1 (im)Pacientes

.managing the flow.

9.7.08

|§| «Relação Públicas é a actividade e o esforço deliberado, planeado e contínuo, para estabelecer e manter a compreensão mútua entre uma instituição pública ou privada e os grupos de pessoas a que esteja, directa ou indirectamente, ligada.» (in Wikipédia)


Ora, olhando para a pauta e vendo um 2, seguido de um 0, deduzo que o senhor professor entendeu que um dos seus alunos ficou a perceber a matéria... toda. Será?

Read On 0 (im)Pacientes

.oh what a world (or country).

4.7.08

|!| Aumentos e mais aumentos. Barril de crude, combustíveis e transportes públicos. Apenas três exemplos dos temas que dominam a agenda mediática, ao qual juntaria um quarto aumento: o da estupidez. A estupidez do rumo escolhido para/pelo nosso sistema educativo. Facilitismos no secundário, nos exames nacionais e até nas universidades. O patrão (ou a patroa) manda e os subordinados obedecem (ainda que muitos deles se vejam envolvidos numa teia em que, em alguns casos, a precariedade fala mais alto).


Mas que raio de País está a ser edificado (ou melhor, que está a tentar ser reerguido)? É assim que se sai da crise, pintando a vida de cor-de-ros(inh)a (vamos lá facilitar a vida aos homens de amanhã, aumentando-lhes as médias, para que assim meio Portugal ande mais contente)? Que futuras gerações estão a ser preparadas?


A vida não é cor-de-ros(inh)a. Por vezes branca, outras preta e, de vez em quando, do tipo arco-íris.


No caso do sistema educativo, a fasquia deve estar lá em cima. Além de combater a preguicite aguda, ajuda a formar pessoas inteligentes, empenhadas e activas, ou seja, os futuros empresários e gestores (os quais se espera que dêem continuidade à recuperação económica do País e combatam o défice). Quem quer, quer, quem não quer, não quer. Portugal também precisa de varredores, empregados fabris, pedreiros, domésticas...


A este propósito, vale a pena ler o artigo «Carreira», de João César das Neves, uma visão pragmática da realidade. Chega de contos de fadas. Estes têm o seu lugar, mas apenas enquanto somos crianças. E a questão é mesmo essa: as decisões, o dar aquela passo, crescer, são os “papões” dos graúdos, que gostavam de ser sempre miúdos.


«Ai Portugal, Portugal. Do que é que estás há espera…»

Read On 0 (im)Pacientes

.happy broday.

2.7.08
|#| Ora diga lá trinta e três. Estávamos em 1975, na remota Rotweil, da então República Federal da Alemanha. Até parece que foi ontem…


Após vasculhar o baú de vinis, dei com esta preciosidade, que deixo com os votos de “congratuleixas”.

Read On 1 (im)Pacientes

.europe and euro 2008.

28.6.08
|| Na segunda-feira, os 500 milhões deixam de ser um colectivo. Voltam para as suas fronteiras que embora invisíveis, estão lá. Desdenham de líderes em quem não acreditam e de quem desconfiam. Desanimam perante leis que não compreendem, dificuldades que cerceiam o presente e comprometem o futuro.

Conceição Branco in Observatório do Algarve
Read On 0 (im)Pacientes

.m(in)ister engineer.

27.6.08

|| «Lisboa, 27 Jun (Lusa) - O primeiro-ministro, José Sócrates, afirmou hoje que o Governo se empenhará em dotar com o melhor da engenharia e da arquitectura portuguesa o Programa de Modernização das Escolas do Ensino Secundário, que se desenvolverá até 2015.»


Estamos a falar de cerca de 209 milhões de euros, para requalificar 26 estabelecimentos de ensino, já no próximo ano.


Atendendo à crise que o País atravessa, fica a sugestão: o senhor primeiro-ministro trata dos projectos e o Governo poupa uns trocos valentes, que podem ser canalizados para outras áreas, também elas importantes, como a saúde e o emprego. E esta, ein?!

Read On 1 (im)Pacientes
Read On 0 (im)Pacientes

.champions place.

22.6.08

|º| Tristezas com o futebol, alegrias com o atletismo. Depois de ter assegurado um lugar na Superliga – principal prova do atletismo internacional de selecções – como organizador da prova, em 2009, Portugal garantiu, por mérito próprio, um lugar entre as 12 melhores selecções da Europa. Tudo graças aos 3º e 5º lugares, masculinos e femininos, respectivamente, na Taça da Europa de Atletismo – 1ª Liga. Inédito. Brilhante. Electrizante.


O sucesso da Taça da Europa em 2005 e 2008, bem como todo o ambiente que envolveu ambas as edições, prova que afinal o Estádio Municipal de Leiria está aí para dar que falar, sobretudo porque é uma forte hipótese para a prova do próximo ano. Oxalá.

Foto: João Matias
Read On 1 (im)Pacientes

.победа.

22.6.08
|º| Até parece que estava a adivinhar. E não é que a Rússia despachou mesmo a mais séria candidata à vitória no Euro 2008? Surpreendidos? A julgar pelas campanhas de Guus Hiddink ao serviço da Coreia e da Austrália, nos mundiais de 2002 e 2006, respectivamente, não admira que, como o próprio pretendia, se tenha tornado no “traídor (holandês) do ano.”


Agora, só a Espanha (ou a Itália) a separa da final. E pelo andar da carruagem, ainda será inédita. Turquia x Rússia?
Read On 0 (im)Pacientes

.blogouve-se.

20.6.08

|@| The end. Ao que parece João Paulo Menezes, jornalista da TSF, entendeu colocar um ponto final (ou reticencias) no (seu) espaço “…onde não podemos aceitar jornalismo de sarjeta!”. É pena, no entanto, fica o legado de cinco anos, de um cidadão e profissional atento e crítico.


Resta agradecer (até pelo precioso contributo no projecto sobre “Marketing Politico”) e aguardar por eventual regresso…

Read On 0 (im)Pacientes

.auf wiedersehen.

19.6.08
|º| Sinceramente não estava com grande feeling para hoje (contrariamente ao Nuno Gomes, que marcou mesmo), no entanto, já há uns dias que tinha vincado esta ideia: “a Holanda vai levar o ‘caneco’.” Caso não seja surpreendida pela Rússia já nos 1/4 final (Guus Hiddink é bem capaz de tramar os seus conterrâneos), a final poderá ser mesmo um Alemanha x Holanda.


Quanto ao jogo, qual deja vú da final do Euro 2004: Portugal jogou mais, mas o adversário é que foi eficaz. Os alemães aproveitaram essencialmente os erros dos portugueses, que foram demais para um jogo só. Resta dizer: auf wiedersehen Portugal, auf wiedersehen Scolari.
Read On 0 (im)Pacientes
Read On 1 (im)Pacientes

.gobbledigook.

17.6.08
|#| Genialidade é sinónima de Sigur Rós. No dia 23 de Junho chega a Portugal o mais recente trabalho da banda islandesa: “Með suð i eyrum við spilum endalust” (ou qualquer coisa como "with a buzz in our ear we play endlessly"), que sucede a “Takk”. Pela primeira vez, gravaram fora da sua terra natal, mais precisamente em Londres e também pela primeira vez, com um produtor de renome: Flood.
Read On 0 (im)Pacientes

.academic steps.

16.6.08
|§| Há pessoas e pessoas. No espaço de aprendizagem, por excelência, cruzam-se docentes e discentes. Eles, tal como os anos, também passam. Ficam as memórias… de momentos e de seres humanos que vale(ra)m a pena.


O percurso já vai longo – 22 anos – e são poucos aqueles que não se esquecem. Pela simpatia, pela pedagogia e pela empatia. Nesta fase, de poucos meses, somam-se mais dois à curta lista. Porque há pequenos instantes que fazem a diferença e escolhas que valem realmente a pena. Obrigado!
Read On 3 (im)Pacientes
Read On 1 (im)Pacientes

.rir starlight.

11.6.08
|#| One week after the end of Rock in Rio (RiR) – Lisboa, I let you with a little of one the best concerts in Parque da Bela Vista.
Read On 0 (im)Pacientes

.simply the best.

8.6.08

Foto: Getty Images
Read On 0 (im)Pacientes

.tak: dreams medina.

29.5.08

|| O pai idealizou e ela internacionalizou. Em 1985, cerca de 1,3 milhões de pessoas assistiam, no Brasil, ao nascimento do Rock in Rio. A menina – 6 anos – Roberta Medina adormecia, então, pelos camarotes daquele que se viria a tornar um dos maiores eventos a nível mundial. Actualmente com 30 anos, a filha de Roberto Medina é directora-geral do Rock in Rio Lisboa e presidente da Dream Factory, uma empresa brasileira dedicada à produção de eventos e com representação em Portugal. Empresária de sucesso assume que “nada é impossível.”


O primeiro Rock in Rio foi há cerca de 23 anos, no entanto, recorda melhor a segunda edição, em 1991, dado que “estava interessada mesmo era nos New Kids on the Block.” De espectadora a produtora – a sua grande paixão – passaram 6 anos. Com 17, e depois de um evento da Disney em que esteve envolvida, surge uma grande questão: “No processo da organização da 3ª edição, o meu pai colocou-me o desafio de coordenar a produção. Aí foram dois minutos de sim, não, sim, não... e eu como sempre gostei de desafios acabei por aceitar”, revela. Volvidos 7 anos, em 2004, dava-se a primeira internacionalização do evento e a “cidade rock” mudava-se de armas e bagagens do Rio de Janeiro para Lisboa.


Mas nem só de música se faz o Rock in Rio. “’Por um Mundo Melhor’ sai de uma crença muito pessoal, e nasce mesmo antes do marketing social, até porque eu como filha muitas vezes antes de ir dormir, ficava a filosofar com o meu pai sobre o mundo”, recorda. Entretanto cresceu, mas a determinação permaneceu. É por isso que Roberta Medina pretende, com as diferentes iniciativas associadas ao evento, “que as pessoas se questionem acerca de que mundo melhor é esse que pode existir.”


Com formação em Comunicação Social, fixou residência em Lisboa, onde “dizem que já pareço mais portuguesa do que brasileira.”

Texto: PJ in Akadémicos#27
Foto: Agência Zero
Read On 1 (im)Pacientes
Read On 0 (im)Pacientes

.maybe is not enough.

22.5.08

|º| Ora então aqui vai (inspirar profundamente): 42 golos apontados, que lhe valeram os títulos de melhor marcador da Premier League e da Champions League; campeão de Inglaterra pelo Manchester United, onde foi considerado o melhor jogador da época 2007/08 (Barclays) e o melhor jogador do ano em 2007 e 2008 (PFA); campeão da Europa pelo mesmo clube, prova onde foi ainda considerado como o melhor jogador… e ainda falta o Euro 2008.


Já merecia a época passada. Esta, ainda mais. Nem precisava ter ganho tanta coisa. Podíamos ficar pela metade. Definitivamente é o melhor do Mundo… ou será ainda necessário que Portugal vença a final no Áustria/Suiça?
Foto: Getty Image
Read On 1 (im)Pacientes

.don't mess with this one.

14.5.08

|| General Cosgrove was interviewed on the radio recently. You'll love his reply to the lady who interviewed him concerning guns and children. Regardless of how you feel about gun laws you gotta love this! This is one of the best comeback lines of all time. It is a portion of an ABC interview between a female broadcaster and General Cosgrove who was about to sponsor a Boy Scout Troop visiting his military headquarters


FEMALE INTERVIEWER: So, General Cosgrove, what things are you going to teach these young boys when they visit your base?


GENERAL COSGROVE: We're going to teach them climbing, canoeing, archery and shooting.


FEMALE INTERVIEWER: Shooting! That's a bit irresponsible, isn't it?


GENERAL COSGROVE: I don't see why, they'll be properly supervised on the rifle range.
FEMALE INTERVIEWER: Don't you admit that this is a terribly dangerous activity to be teaching children?


GENERAL COSGROVE: I don't see how. We will be teaching them proper rifle discipline before they even touch a firearm.


FEMALE INTERVIEWER: But you're equipping them to become violent killers.


GENERAL COSGROVE: Well, Ma'am, you're equipped to be a prostitute, but you're not one, are you?


The radio went silent and the interview ended.

Read On 0 (im)Pacientes

.thank u.

10.5.08

|º| Página 127, coluna central… do Livro do Prémio. Não ganhei nenhum (nem esperava), no entanto, foi como se tivesse. Afinal, não é todos os dias que se vê um trabalho publicado num livro que reúne as melhores (entre 6848). Mais: para quem ainda agora começa a dar os primeiros passos; que só na véspera resolveu participar; que passou quase um dia a vasculhar um arquivo de um ano; teve 40 registos avaliados por um júri prestigiado… “soube que nem gingas.”


Acima de tudo é um estímulo: para não perder a esperança de voltar a ter uma máquina e, depois, para continuar a fazer uma coisa que tanto gosto.


The last, but not the least: três agradecimentos: a Deus (pelos dons – entre eles este); à namorada (a principal “culpada”); a todos os amigos e colegas (que têm estado aí).


Na foto, Cátia Ferreira (Juventude Vidigalense) finaliza, em primeiro lugar, a estafeta 4x100 metros, no Estádio Municipal de Leiria.


As melhores imagens do Prémio Fotojornalismo Visão|BES e do World Press Photo 2008 estão patentes no Museu da Electricidade, Lisboa, de 10 de Maio a 8 de Junho.

Read On 3 (im)Pacientes

.europe (to)day.

9.5.08

|!| Com 27 Estados-Membros e uma população de perto de 500 milhões de habitantes, a União Europeia abrange grande parte da Europa. Desde a sua criação, tem providenciado no sentido de trazer prosperidade e estabilidade aos seus cidadãos. As suas políticas e as suas acções afectam nos a todos directa e indirectamente.


A União Europeia propõe-se constituir uma sociedade justa e solidária, empenhada na promoção da prosperidade económica e na criação de emprego, tornando as empresas mais competitivas e dotando os trabalhadores de novas competências.


Em cooperação com os seus vizinhos e com outros países, a UE procura que os valores da prosperidade, do progresso democrático, do Estado de direito e dos direitos humanos se propaguem para além das suas fronteiras. A União Europeia é a maior potência comercial, constituindo simultaneamente uma importante doadora de assistência técnica e financeira aos países mais pobres.





Read On 0 (im)Pacientes

.true storie.

24.4.08
|| Um dia uma cigarra cantarolava no caminho quando encontrou uma formiga que trabalhava muito atarefada. Perante o espanto da outra, a formiga explicou que o Inverno se aproximava e era preciso recolher comida. A cigarra riu-se e continuou o seu caminho a cantar.


Tal como a formiga dissera, daí a umas semanas começou o vento e a chuva. Mas essa foi a sua única previsão que acertou, porque era boa meteorologista mas não percebia nada de política. Como tinham subido os impostos, o Estado levou a maior parte da comida armazenada. Isso, aliás, foi tudo o que se aproveitou porque logo a seguir houve uma inspecção ao armazém da formiga. Como as condições de etiquetagem não eram as adequadas, foi tudo queimado pelos fiscais em defesa dos consumidores.


Entretanto a cigarra, que estivera o ano inteiro de barriga cheia com um subsídio a fundo perdido do Programa de Apoio às Artes do Ministério da Cultura, como pertencia ao partido do Governo conseguiu um lugar de directora-geral da Secretaria de Estado da Agricultura, com o pelouro dos apoios à lavoura.


Um dia a cigarra cantarolava no gabinete quando entrou a formiga que chorava muito pesarosa. Perante o espanto da outra, a formiga explicou que o Inverno chegara e, como não tinha comida para dar aos filhos, vinha pedir uma ajuda ao Governo. A cigarra, que tinha bom coração, deu à amiga um empréstimo bonificado. Assim a formiga voltou para casa muito contente com uma pequena parte daquela comida que ela mesma tinha apanhado.


Moral da história: deve-se trabalhar, mas sem apoio do Governo não dá nada.

João César das Neves

Read On 0 (im)Pacientes

.where were you.

21.4.08

|º| Duplamente surpreendente. Volto ao “desporto rei” para falar de um jogo. O irreverente Sporting, que na última quarta-feira virou um 0-2 para um 5-3, foi ao Estádio Dr. Magalhães Pessoa a pensar que eram “favas contadas.” Assim seria, caso a apática – durante quase toda a época – U. Leiria, não tivesse entrado de rompante, com dois golos de Paulo César. Seguiram-se-lhe N’Gal, Liedson e Cadu. Resultado final: 4-1. Sporting longe da champions e a União perto da Liga de Honra.


É caso para perguntar: o que foi feito dos “leões” da Taça de Portugal (que ainda assim não apaga a má época)? E por onde andaram os leirienses em 2007/08 (exceptuando a participação nas taças Intertoto e UEFA)?

Read On 0 (im)Pacientes

.victories and defeats.

17.4.08
|º| Nota prévia: aqui apoiam-se os encarnados. As 1/2 finais da Taça de Portugal passaram-me completamente ao lado. Tanto o 3-0 do Porto, como o 5-3 do Sporting. Dizem que não há vencedores antecipados, mas pelo que se tem visto esta época, aposto na “dobradinha”.


Não vi o derby, mas fico com a sensação que terá sido, provavelmente, o melhor dos últimos 10 anos. Quanto mais não seja pelos 8 (!) golos. Talvez assim valha a pena ver futebol. Claramente um bom exemplo de marketing desportivo.


Quanto ao Benfica… tem estado péssimo. Sem palavras. Pena que o aclamado “D. Sebastião” da Luz, Rui Costa, vá ter uma despedida tão inglória, depois de ter sido claramente o mais empenhado (e aos 34 anos!) em 2007/08. Merecia mais. Muito mais.
Read On 0 (im)Pacientes
Read On 1 (im)Pacientes

.hot or not.

10.4.08
|!| Inspirações “marketingiana” ou “relações públicianas” à parte, duas questões me atravessaram a mente ao olhar para o cartaz do lado: pormenor “sedutor” na localização da identificação do promotor e “o photoshop faz maravilhas”.


Um colega até fotografou recentemente a modelo, que de facto não foge muito à realidade, contrariamente à panóplia de exemplos que temos no mercado, de plásticas e liftings feitos digitalmente.


Técnicas à parte, e pelo que é possível avaliar à distância, valerá a pena ir ao Palácio do Gelo, em Viseu, “um dos maiores complexos comerciais e de lazer da península Ibérica.”
Read On 0 (im)Pacientes

.grid: fix this name.

8.4.08
|@| Queres Internet 10.000 vezes mais rápida? Sim, leste bem: DEZ MIL. Incrédula(o)? Convido-te a uma leitura aqui.
Read On 1 (im)Pacientes
Read On 3 (im)Pacientes

.inês flower(s).

1.4.08

Nilton, o apresentador


Coro, do Ateneu de Leiria


David Fonseca, o escuteiro


Bailarina, da Annarella

Inês, a estrela
Read On 0 (im)Pacientes

.teathre day.

27.3.08
|| Todo o fantasma, toda a criatura de arte, para existir, deve ter o seu drama, ou seja, um drama do qual seja personagem e pelo qual é personagem. O drama é a razão de ser do personagem; é a sua função vital: necessária para a sua existência.

in "Seis Personagens em Busca de Autor", de Luigi Pirandello
Read On 1 (im)Pacientes
Read On 0 (im)Pacientes

.one flower, one show, one crowd.

24.3.08

|#| Iniciativas de solidariedade social são sempre louváveis, sobretudo quando há personalidades, ditas públicas, que se associam, colocando assim o seu talento, e estatuto, ao serviço da comunidade. Um aplauso para David Fonseca, Nilton, Academia Annarella, Escola Clara Leão, Tuna A_Martuna, Grupo de Serenatas Neptunus, Coral do Ateneu e Orfeão de Leiria, n’“Uma Flor Pela Inês”.

Read On 0 (im)Pacientes

.photojournalism 2008.

18.3.08
|| O prémio de fotojornalismo regista novamente um recorde de participação: 227 fotógrafos e 6848 fotografias. Há também 41 novos fotógrafos a concorrer.


O concurso, que se tornou uma referência no nosso país, tem crescido de ano para ano. Oito anos depois da sua primeira edição, mais do que duplicou o número de fotógrafos a concurso e o de imagens mais do quadruplicou – em 2000 concorreram 108 profissionais e 1 500 fotografias.


Fonte: Prémio Fotojornalismo Visão | BES

Read On 0 (im)Pacientes

.whos guilty?.

12.3.08
|!| Acerca desta notícia, e do muito que me foi possível ver e ouvir, detenho-me sobre a postura habitual nestes casos: encontrar um culpado. Pouco importa nesta fase, uma vez que quatro pessoas ficaram – desculpem a expressão – estilhaçadas pela linha-férrea.


Há quem sugira que as barreiras são inseguras e que, por isso, a Refer – Rede Ferroviária Nacional deveria proceder a uma intervenção de fundo. Ora, segunda a porta-voz da empresa, ao Metro de hoje, “as meias barreiras são aplicadas em toda a Europa para permitir a passagem em casos de emergência, por exemplo, numa situação em que o carro avaria em plana linha” ou – acrescento eu – para facilitar a passagem a veículos prioritários.


“Uma ambulância foi abalroada e morreram quatro pessoas!” Foi assim que soube do sucedido e a primeira coisa que me ocorreu foi: “ok, é um veiculo prioritário, no entanto, o condutor deve agir sempre com precaução, de modo a não por em risco a sua vida, bem como a dos outros.”


Fosse ou não ambulância, o facilitismo resultou em tragédia. Parar em STOPs, sinais vermelhos ou simplesmente ceder a prioridade, é uma questão de consciência. Infelizmente, neste momento lamentam-se quatro mortes. Encontrar culpado(s) não ressuscita ninguém.

Foto: Paulo Cunha/Lusa
Read On 0 (im)Pacientes

.maybe tonight.

9.3.08
|#| A versão feminina de Rufus Wainwright - assim considerada pela Rolling Stone. Multifacetada, a songwriter norte-americana é também ilustradora, designer e tem ainda em mente um side project um tanto insólito: uma banda de gajas metaleiras chamada Cunt – ela garante que serão uma versão mais pesada de Alice In Chains! Fixem este nome: Nicole Atkins.
Read On 0 (im)Pacientes

.woman day.

7.3.08
[+_info]
Read On 0 (im)Pacientes

.could you repeat, please.

6.3.08
|!| “Manif” dos professores; ministra da educação; Governo; avaliações & afins. Não sei se ria, não sei se chore (depois de ler isto). Sim, porque estranha-se o questionário e – pior – a justificação utilizada. Já agora: porquê visita à paisana?!


Assim de repente, atravessa-se-me um pensamento: serão “influências” do resultado do «Grande Português do Século»?
Read On 1 (im)Pacientes

.thank u.

4.3.08
…all 4 the “congratuleixas”.
Read On 1 (im)Pacientes
Read On 0 (im)Pacientes

.try it.

27.2.08
Read On 1 (im)Pacientes

.fortuna.

25.2.08
Read On 2 (im)Pacientes

.let's rock it.

20.2.08
Read On 0 (im)Pacientes
Read On 0 (im)Pacientes
Read On 0 (im)Pacientes

.todays movies.

8.2.08
|| O Teatro-Cine de Pombal exibe hoje e amanhã, dias 8 e 9, pelas 21h30, os trabalhos premiados no Festival de Curtas-Metragens de Vila do Conde.


VITALIC - BIRDS [Prémio Vídeo Musical]
França • 2006 • MV-EXP • 03' • COL
Realização Pleix
Produção Pleix
Em velocidade extremamente lenta, um grupo de caos de raça saltam, posam e abanam as suas magníficas caudas em frente a um estranho pano de fundo dos anos 80, em néon.


NYMPH [Grande Prémio Vila do Conde]
EUA • 2007 • EXP • 03' • Betacam SP PAL • COL
Realização Ken Jacobs, Erik Nelson, Flo Jacobs
Produção Ken Jacobs
A bela do baile rodeada por pretendentes. Um poderoso filme 3-D que pode ser visto sem óculos especiais e até por um só olho.


BLUE KARMA TIGER [Prémio Animação]
Suécia • 2006 • ANI • 12' • 35 mm • COL
Realização Mia Hulterstarm, Cecilia Actis
Produção Mia Hulterstarm
Um colorido documentário em animação sobre "graffit". Os pintores de spray deixam as suas marcas em muros, túneis e comboios, mas raramente vemos a pessoa que se esconde por detrás do nome pintado. O filme dá-nos a conhecer três raparigas pintoras que nos dizem porque é que o fazem.


YAPTIK-HASSE [Prémio do Público]
Rússia · 2006 · DOC · COL · 35 mm · 31'
Realização Edgar Bartenev
Um documentário sobre o quotidiano dos Nenets, uma tribo cujo modo de vida se mantém inalterável há milhares de anos.


PLOT POINT [Prémio UIP/ Vila do Conde]
Bélgica • 2007 • EXP • 15' • Betacam SP PAL • COL
Realização Nicolas Provost
Produção Nicolas Provost
A real e muito famosa "cop land" americana com as suas sirenes de carros de polícia, fardas, ambulâncias e ruas apinhadas de gente, facilmente se transforma num cenário de cinema perfeito, pondo não só em questão os limites entre realidade e ficção, mas também os códigos da narrativa cinematográfica (a curva de tensão, o climax, o "plot point"), brincando com as nossas expectativas e deixando o mistério por desvelar.


GRAVITY [Prémio Onda Curta]
Bélgica • 2007 • EXP • 06' • Betacam SP PAL • COL BW
Realização Nicolas Provost
Produção Nicolas Provost
O mundo reconfortante da multiplicidade de imagens cinematográficas de beijos é desconstruído por um efeito estroboscópico que nos submerge no inebriante vórtice do abraço onde, como é habitual no cinema de Provost, o amor torna-se numa apaixonante batalha na qual os monstros são finalmente desmascarados.


ABRAÇO DO VENTO [Prémio Onda Curta 2004]
Portugal • 2004 • ANI • 02'34'' • Betacam SP • COL
Realização José Miguel Ribeiro
Produção Zeppelin Filmes Lda - Luís da Matta Almeida
Num Mundo onde o ferro e a terra se fundem criando cidades inesperadas, o vento sopra a vida por entre as folhas abraçando todo o devir, no ciclo eterno do renascer...


EUROPA 2007 [Melhor Filme Português 2007]
Portugal • 2007 • FIC • 19' • 35 mm • COL
Realização Pedro Caldas
Produção Pedro Caldas
A carrinha está parada junto a uma via rápida, estão agora lá dentro três mulheres e os dois homens. Esperam. Chega um carro. Saem um homem e uma mulher... Uma das mulheres da carrinha tenta fugir... é agarrada. Os dois carros partem, perdem-se na noite.


A OLHAR PARA CIMA [Melhor Filme Português 2004]
Portugal • 2003 • FIC • 15' • 35 mm • COL
Realização João Figueiras
Produção João Figueiras, O Som e a Fúria - Sandro Aguilar
Pedro observa escondido na igreja as raparigas a vestirem fatos de anjo para a procissão. Escondeu-se para que não lhe vistam aquela fatiota ridícula. Pedro deseja que a procissão não aconteça. Deseja que chova, que caia um temporal sobre a ilha. Pedro começa a acreditar que a procissão não vai acontecer.


SHSHSH - SINTONIA INCOMPLETA [Menção Honrosa 2000]
Portugal • 1999 • ANI • 03' • 35 mm • COL
Realização Mário Jorge da Silva Neves
Um televisor acorda e tenta sintonizar-se, mas sem sucesso. Quando acidentalmente passa pelo canal da metereologia localiza uma bela apresentadora. Isto, é claro, chama a sua atenção. Numa série de 'gags' hilariantes, o filme mostra-nos as suas tentativas desajeitadas para voltar à sintonia do mesmo canal. Sem sucesso, é claro...


RAPACE [Grande Prémio Cidade Vila do Conde 2006]
Portugal • 2006 • FIC • 25' • 35 mm • COL
Realização João Nicolau
Produção Luís Urbano, Sandro Aguilar - O Som e a Fúria
Cumpridas as obrigações académicas, Hugo passa os dias em casa descansando a cabeça de intermináveis leituras de autores pouco conhecidos. Dorme muito e a desoras. A sua única companhia doméstica é Luísa, a empregada, que alinha com ele em cúmplices jogos do gato e do rato. Para afugentar o sono da razão Hugo exercita a veia lírica escrevendo, com o amigo Manuel, canções sobre o bairro onde ambos habitam. O plácido diletantismo do protagonista é abalado por Catarina, uma jovem e bonita tradutora que dá os primeiros passos na vida profissional em regime freelancer. Hugo está pelo beiço, fraqueja. Lá em cima, o peneireiro peneira. Não é o único rapace capaz de fazê-lo.


ENTRETANTO [Melhor Realização; Melhor Fotografia 1999]
Portugal • 1999 • FIC • 25' • 35 mm • COL
Realização Miguel Gomes
Produção Sandro Aguilar - O Som e a Fúria
Pais e professores ausentaram-se. 'Entretanto', dois rapazes e uma rapariga formam um trio amoroso. Rui, Nuno e Rita atravessam três espaços e tempos para poderem ficar a sós: jogo de futebol, festa com piscina, praia. Equilíbrio instável, o trio está demasiado próximo do triângulo. 'Entretanto' é o tempo da suspensão. Dos gestos, da comunicação, da linguagem. A impotência resulta da falta de consciência para estruturar os sentimentos e de uma linguagem que permita comunicá-los. Só se pode conjecturar: Rui ama Rita, Nuno ou o jogo? Nuno ama Rita e está dependente de Rui? Rita, passiva dona do jogo, amará alguém? Dela, figura axial do trio, só sabemos que fecha os olhos para se refugiar numa interioridade etérea - as nuvens são a realidade, Entretanto é o intervalo que as suspende.
Read On 0 (im)Pacientes

. the upside down world time.

7.2.08
|| Dona Fernanda, então por aqui? Agora me lembro, ainda não lhe dei os parabéns pelo seu homem. Vi-o no concurso da televisão. Que honra! Muitos parabéns! Fiquei orgulhosa como se fosse meu!


- É verdade, dona Cátia. Estamos muito contentes. Foi muito bom, até para compensar a desgraça da minha irmã. Não sabe? Imagine que o marido dela é administrador de um banco.


- Não me diga! Que vergonha! Mas qual? Daquele criminoso, o BCP?


- Olhe nem sei bem. Mas aquilo é tudo a mesma gente. Coitada da minha irmã, anda muito ralada! Felizmente que o amante está muito bem. Era segurança num bar, mas agora conseguiu ficar dado como deficiente por causa de uma sova que levou e o subsídio é excelente.


- Ainda bem! Que sorte! Olhe, essa sorte não tenho eu. Ando muito preocupada com o meu sobrinho. Não, não é com o homossexual. Não, esse está óptimo. Foi ao estrangeiro casar com o amigo e agora até estão a pensar adoptar uma criança por lá. O que me preocupa é o outro, o Zé. Tem um restaurante, imagine. Um restaurante de luxo.


- Ai, coitado! Em que se havia de meter! E tem tido muitas queixas?


- Pois. Calcule que nem sequer usava sabão líquido nas casas de banho e os exaustores são de baixa extracção. Estou com medo que mais cedo ou mais tarde acabe na cadeia, pobrezinho!


- Compreendo, compreendo. As ralações que temos! E então o que é que a traz por cá? Eu vou agora ali à direcção da escola queixar-me. Veja lá que a minha filha me disse que lá na escola não há máquinas de distribuição de preservativos na casa de banho das raparigas. Só na dos rapazes. Não é uma vergonha?


- Um escândalo. Depois se há problemas a culpa é dos pequenos! Eu também tenho de lá ir mas, infelizmente, é derivado ao comportamento do meu Ronaldinho.


- Não me diga que ainda é por causa da gravidez?


- Não, que ideia. Isso está tudo resolvido. Eles os dois trataram a questão com muito bom senso. Nem pareciam ter 13 anos! O aborto correu muito bem e o meu rapaz até já arranjou outra namorada bastante mais velha. Não, o que me preocupa é aquele grupo com que ele anda.


- Qual? A banda de rock satânico? Oh, minha amiga não se apoquente com isso. Nós lá em casa até dissemos ao nosso rapaz para criar uma. Antes isso que andar pelos ATL da paróquia com aqueles beatos a meter patranhas na cabeças dos miúdos. Na banda é muito mais seguro e saudável. Não só é artístico, como abre horizontes e um dia, quem sabe... Olhe, não me preocuparia nada com isso.


- Não, não é isso. Nós também estamos muito satisfeitos por ele andar com a banda. É um excelente meio de educação. Ao princípio ainda me chocavam um bocado as letras das canções, a falar de suicídio e sangue, mas agora até acho graça. Rapazes são rapazes, não é? Não, é muito pior. Ele também anda metido em coisas mesmo graves com aquele outro grupo clandestino. Já ouviu falar, não? Aquele grupo de fumadores que no outro dia até apareceu no jornal por um deles fumar dentro do metro.


- Que horror! O seu filho fuma? Mas isso faz imenso mal à saúde e polui o ambiente. Então ele não pensa no aquecimento global? Esta juventude está perdida!


- Eu sei, eu sei! Tentámos tudo para o afastar do vício, mas nada. O meu marido até quis ver se o interessava em blogs pornográficos, chats neonazis e outras coisas que fossem também um bocadinho subversivas e clandestinas mas não fizessem tanto mal. Mas nada! Ele não larga o cigarro! A culpa é do meu homem e eu já lhe disse. Imagine que quando o miúdo era pequeno lhe dava pistolas e outros brinquedos de violência. Claro que tinha de ter esta consequência, não era?


- Que horror! Imagino como anda apoquentada. E nos estudos, que tal anda ele? Os meus antigamente era um castigo. Davam muitos erros de ortografia mas isso agora, com este novo programa para o insucesso escolar, deixou de criar problemas porque já não conta. E, mesmo na Matemática, o que interessa é a criatividade dos miúdos. Se os professores explicam mal que culpa têm os pequenos?


- Eu digo o mesmo. Se eles depois acabam todos no desemprego, ao menos gozem a juventude.


João César das Neves, professor universitário, in DN (04/02/08)
Read On 3 (im)Pacientes
Read On 7 (im)Pacientes
Read On 0 (im)Pacientes

.postal.

31.1.08
Read On 0 (im)Pacientes

.the best one.

30.1.08
|º| Em 2006 já começou a dar nas vistas, no entanto foram o italiano Fábio Cannavaro e o brasileiro Ronaldinho Gaúcho os coroados. Um ano volvido, quando começou a “partir a loiça”, o coroado foi outro jovem: Kaká. Estamos em 2008. Será este o ano? É forçosamente necessário que Portugal ou o ManU ganhem uma competição para que seja reconhecido? Ele dribla, ele centra, ele assiste… ele marca! É um fantasista. Tem nome de craque (e é mesmo).


Para quem pode decidir, sugiro o visionamento disto e disto.
Read On 0 (im)Pacientes

.the sweet and gentle little girl goodbye.

30.1.08
|!| Lembram-se da “Borboleta”? Talvez não. Mas se lhe chamar Floribella ou Luciana Abreu, aí ficam mais esclarecidos. Pois é, a tímida concorrente com voz de ouro e a doce personagem que surgiu nos ecrãs de televisão, já não encanta só a pequenada. Partiu à conquista de um novo público, pela mão de uma revista masculina. Descubra as diferenças…


…antes e depois.
Read On 0 (im)Pacientes

.other voices.

25.1.08

|#| “Canyon Songs” é o sexto disco de uma carreira recheada de grandes trabalhos. Neste novo registo, o irlandês abraça o country (um género que sempre apreciou) e continua a explorar a música como um espaço aberto a novos territórios. Esta noite, em Espinho, o songwriter não esquecerá certamente algumas canções dos seus discos anteriores.


Para quem perdeu o bilhete, aqui fica Perry Blake no seu melhor.
Read On 0 (im)Pacientes
Read On 0 (im)Pacientes

.dream on girl.

19.1.08
|#| Vermelho é cor de paixão e é também a dos sapatos da Rita, uma apaixonada pela música. Apetece dizer que é uma versão feminina de David Fonseca, mas afinidades à parte, está ai para se dar a conhecer by her own.

Read On 0 (im)Pacientes

.hollywood guy.

17.1.08

Read On 2 (im)Pacientes
Read On 0 (im)Pacientes

.épi nuié.

1.1.08

|2008| Ora aí está mais um ano. Trezentos e sessenta e cinco dias depois de termos entrado em 2007. Foram 8760 horas repletas de alegrias e tristezas…


Porque neste espaço o mote é acima de tudo a comunicação, passando por temas como música, fotografia e desporto, aqui ficam alguns dos destaques do último ano, que valem mais que 1000 palavras…


Dave Mathews Band e Rufus Wainwright foram os concertos do ano, sendo que o primeiro igualou o de Sigur Rós (Coliseu do Porto em 2002), no topo da tabela dos melhores de sempre. Continuando a falar de obras-primas musicais, “In Rainbow” foi mais uma pérola lançada pelos Radiohead.


Escolher a música de 2007 é tarefa complicada para quem respira melodias diariamente. No entanto, houve algumas que tocaram repetidamente. A juntar às faixas do referido álbum, “City Of Delusion” (Muse), “Smokers Outside Hospital Doors” (Editors), “9 Crimes” (Damien Rice), “Foundations” (Kate Nash), “The Downset Is Tonight” (Blind Zero), “Encosta-te a Mim” (Jorge Palma), “Eu Não Sei Quem Te Perdeu” (Pedro Abrunhosa), “Coming Home” e “Question Mark” (Kyoto)... são alguns exemplos.


Relacionado ainda com a temática anterior, 2007 foi produtivo em termos fotográficos. Entre semanas académicas e concertos, a maioria dos registos teve a música como tema comum. Como é difícil escolher só uma, aqui ficam três, por temas: música, desporto e geral.


Não sendo fácil recordar o que de melhor tiveram os últimos 365 dias, recordo ainda “A Portuguesa” cantada com toda a alma pela Selecção Nacional de Rugby no Mundial e ainda, no campo desportivo, a subida histórica do Fátima à Liga de Honra, bem como o dia em que os portugueses, num momento de rara beleza, encheram o Estádio Municipal de Leiria, para apoiar Portugal.


Muitos mais momentos poderiam colorir este espaço, mas esses ficam com quem os partilhou. Votos de um FELIZ 2008.

Read On 0 (im)Pacientes

(im)Pacientes


Marcas

Vitaminómetro

Histórico

Vitaminodependentes

+Vitaminas